Conheça o ranking com os países que têm áreas protegidas

Compartilhe:
Foto de uma árvore em primeiro plano com montanhas e vegetação ao fundo.
Parque Nacional Henri Pittier. Foto: Dragondeluz.

 

A Lista Vermelha de espécies ameaçadas de extinção já tem mais de 24 mil espécies. A partir deste cenário, o jornal britânico The Telegraph usou os dados sobre biodiversidade do Banco Mundial e junto com os programas ambientais das Nações Unidas fez um ranking com os países que tem mais e menos áreas protegidas.

Apenas 14,8% de toda terra do planeta está sob o status de proteção. Esse percentual ainda é melhor do que em 1990, quando os registros mostravam que as áreas protegidas era apenas 8,2%.

No TOP 10 de áreas protegidas, a Venezuela lidera o ranking com 53,9% da área do país sob proteção ambiental. A Eslovênia está na segunda colocação, com 53,6%, seguida por Mônaco, com 53,4%.

Já, segundo informações do Banco Mundial, o Brasil possui 28,4% de suas terras protegidas. Apesar de estar distante dos percentuais dos melhores países, o resultado é considerado bastante expressivo se compararmos com o resultado de 1990, que era 6,7%.

Nauru, São Tomé e Príncipe, San Marino e Macao estão nas últimas posições por não terem áreas de proteção. Turquia, Barbados, Afeganistão, Haiti e Líbia também seguem na sequência dos piores colocados.

Para ver os dados de cada país, acesse a ferramenta do Banco Mundial.

Com informações do site Ciclo Vivo e The Telegraph.

Morador do entorno da Reserva idealiza projeto para preservar florestas

Compartilhe:
julian-guardioes-da-reserva
Julian Righetto, empreendedor. Foto: Arquivo pessoal.

Neste ano, na série Guardiões da Reserva, trouxemos histórias de pessoas que têm um olhar especial na preservação das reservas brasileiras. Julian Righetto, morador do entorno da Reserva Biológica Tamboré, em Santana de Parnaíba (SP), faz parte desse time que cuida das áreas verdes como uma de suas paixões. “Abri a minha empresa com foco em reflorestamento, mas sempre quis criar uma causa sobre os problemas do desmatamento reunindo tanto pessoas físicas quanto jurídicas para um projeto global de recuperação de áreas degradadas”, conta.

O projeto TREES4PLANET é a materialização dessa vontade. Por meio de um portal (que está em fase de desenvolvimento), a ideia é que a população possa participar de forma direta, por meio da adoção de uma ou mais árvores ou para neutralizar as emissões de carbono per capita de gases de efeito estufa.

Além disso, uma das ações do projeto é levar a comunidade local a participar de toda a produção das mudas, plantio e manutenção. O lançamento está previsto para o primeiro semestre de 2017. O site atual, “Adote uma árvore”, será uma extensão do TREES4PLANET. Até o site do novo projeto ficar pronto, o público poderá participar por meio desse portal.

Fique por dentro de mais detalhes do projeto. Confira trechos da entrevista com Julian Righetto.

O que te impulsiona a trabalhar com esse tema?
Ele faz parte do meu cotidiano, em todas as áreas da minha vida. Uma das causas que amo é trabalhar tudo o que envolve as árvores. Gosto de plantar, cuidar e vê-las crescer. Quero ver o meu sonho de engajar as pessoas para que elas possam acompanhar o desenvolvimento das árvores durante dez anos via aplicativo. Essa é uma das propostas do meu projeto. Tenho uma satisfação imensa de participar e fazer as pessoas participarem também.

Como será o projeto TREE4PLANET?
É um projeto socioambiental sustentável para ajudar no combate ao aquecimento global por meio do reflorestamento de áreas de preservação permanentes e reservas no bioma amazônico. Esta será a fase inicial do projeto e depois pretendemos abranger os demais biomas do Brasil. O plantio das árvores vai aumentar a produtividade da terra, regenerar o solo e possibilitar a melhoria das condições de vida das pessoas que vivem na região, valorizando os moradores e impulsionando a economia local, a educação, a saúde e o bem-estar.

De que forma o projeto vai trabalhar com o desenvolvimento local?
Essas pessoas serão beneficiadas diretamente com o projeto no que tange o aumento de renda, a melhoria das condições de escolaridade e um melhor atendimento de saúde. Espera-se que o projeto possa acumular informações a respeito do que já foi desenvolvido e, a partir daí, transmitir esses conhecimentos para outras comunidades que estejam dispostas a implantar projetos semelhantes. Teremos, também, o envolvimento de uma grande quantidade de pessoas da região amazônica — desde coletadores e separadores de sementes a plantadores, viveiristas, cuidadores, podadores, tratadores, entre outros. As árvores de açaí, além do trabalho necessário durante o plantio e sua manutenção, futuramente darão frutos que servem, mais uma vez, como oportunidade de trabalho, tanto na colheita como no seu processamento.

Quais são os objetivos do projeto?
Temos uma preocupação de trabalhar em ações ambientais ligadas à floresta amazônica e ao combate ao aquecimento global. Alguns de nossos desejos são impulsionar a melhoria da qualidade de vida da população rural, evitando o êxodo rural; inovar constantemente a gestão ambiental, proporcionando desenvolvimento sustentável em perfeito equilíbrio com a sociedade e o meio ambiente onde estamos inseridos e contribuir para o crescimento do indivíduo e a conscientização global sobre recursos naturais. Buscamos ainda gerar recursos por meio da gestão ambiental, permitindo melhoria contínua para as populações envolvidas no extrativismo sustentável e consciente. A nossa maior meta é chegar a uma redução dos níveis mundiais de CO2 por meio de planos de incentivo à adoção de árvores.

Conheça 5 formas de fazer a sua horta

Compartilhe:

radish-sprouts-1407319_1280

Quer fazer a sua horta, mas não sabe por onde começar? Separamos cinco maneiras que vão ajudá-lo a dar os primeiros passos a partir de matérias que publicamos no nosso blog.

1. Aprenda a fazer hortas em pequenos espaços
A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) produziu o livro Horta em pequenos espaços, que busca “empoderar” as pessoas na criação de hortas em pequenos espaços.

2. Faça uma horta com irrigação por capilaridade
A irrigação por capilaridade pode ser ideal se a sua ideia é otimizar tempo. Criada pelo projeto “Food is Free com materiais reaproveitados, ela permite que você fique tranquilo mesmo quando não puder regá-la diariamente.

3. Dicas para fazer hortas em um metro quadrado
Aqui contamos como você pode fazer a sua horta tanto em um apartamento quanto em um espaço pequeno de terra. Preparamos dicas e explicamos como fazer o plantio.

4. Faça a sua horta hidropônica caseira
Um projeto básico de horta hidropônica tem baixo custo, entre R$150 e R$200, nos projetos mais simples. Na hidroponia, as plantas não crescem fixadas ao solo e, sim, na água. Desta forma, os nutrientes que elas necessitam para se desenvolver são dissolvidos na água, passando por suas raízes.

5. Horta em casa
Confira dicas básicas para começar a fazer uma horta em casa, incluindo algumas orientações de como mantê-la.

Conheça 5 histórias de quem faz a diferença

Compartilhe:

rodrigo

Ações positivas acontecem diariamente pelo mundo. Por isso, separamos cinco histórias inspiradoras para que elas se multipliquem e sejam exemplo para todos. Confira!

Paulistano luta pela revitalização das nascentes da sua cidade
Existe muita água em São Paulo. “Há nascentes de água limpa pela cidade que poderiam ser utilizadas e rios passíveis de serem recuperadas”, afirma Adriano Sampaio, corretor de seguros e participante do coletivo Ocupe e Abrace. Suas descobertas são compartilhadas por meio de vídeos que ele mesmo faz durante sua luta pela revitalização das nascentes da capital. Adriano é um dos exemplos da campanha “Eu preservo”, do movimento “Mude para o mundo mudar”.

Jovem cria cooperativa de materiais recicláveis
A história de empreendedorismo de Roger Koeppl, que criou a cooperativa de materiais recicláveis YouGreen, em São Paulo (SP), começou cedo. Aos 12 anos, vendia pirulitos na escola e lavava carros após as aulas na escola. Na indústria, aos 15 anos, comercializava ferramentas para a América do Sul. Em seguida, entrou no SENAI e no universo das multinacionais. Logo se apaixonou pela vida corporativa e, aos 21 anos, passou a liderar uma equipe de técnicos de uma grande montadora de automóveis do Brasil.

Empreendedora aposta em iniciativa de coleta para resíduos orgânicos
Enquanto muitos procuram cuidar dos materiais recicláveis, Fernanda Danelon, jornalista e empreendedora, vai atrás de soluções para resíduos orgânicos. Foi assim que criou o Instituto Guandu – modelo de negócio de impacto socioambiental que promove a coleta seletiva de resíduos orgânicos, transforma esse lixo em adubo através de uma biotecnologia de compostagem otimizada (licenciada do laboratório mineiro Bioideias) e mantém hortas urbanas orgânicas, fechando o ciclo “do prato ao prato.

Pedagoga coordena programa que trabalha com crianças superdotadas de comunidades do Rio
O sentido do projeto de vida da Clara Sodré, pedagoga carioca, é transformar o mundo pela educação. Clara aceitou o desafio de idealizar um programa para crianças e jovens superdotados. Além de criá-lo, atuou como diretora do projeto até 2005. Logo depois, em 2006, foi convidada pelo Instituto LECCA para montar e dirigir um programa semelhante, voltado a crianças e jovens de baixa renda, o Programa Estrela Dalva, onde está até hoje como responsável.

Empreendedor social cria instituto com foco em educação inclusiva
Na época do jardim de infância, Rodrigo Mendes, empreendedor social que criou o Instituto Rodrigo Mendes, já fazia desenhos de observação dos móveis em sua casa. Não demorou muito para que seus trabalhos chamassem a atenção. Foi assim que a arte tornou-se a primeira atividade por meio da qual se sentiu reconhecido. Anos depois, essa ferramenta o motivou a transformar a vida de outras pessoas.

Passo a passo: dicas de decorações natalinas sustentáveis

Compartilhe:

Para quem curte enfeitar sua casa no Natal, uma maneira criativa é reaproveitar produtos e fazer os seus próprios enfeites em vez de comprá-los.

Confira cinco dicas de decorações natalinas produzidas com materiais reutilizados e o passo a passo de como fazê-las.

1 – Árvore de Natal feita com revista dobrada e spray

arvore-dobradura-madame-criativa
Com apenas uma capa de revista e tinta spray, você consegue fazer um pinheirinho de Natal de baixo custo.
Leia o passo a passo completo.

2 – Duendes de rolo de papel higiênico

duendes-papel-higienico-madame-criativa

Com o miolo do papel higiênico e feltro é possível criar lindos duendes de Natal! Essa é uma das dicas mais fáceis, superdivertida para fazer com toda a família.
Confira o passo a passo dos duendes.

3 – Lanternas com potes de vidro

lanterna-madame-criativa

Sabe aqueles potinhos de vidro que você guarda no armário? Eles podem virar lanternas para o seu Natal! Aqui, você vai precisar de potes de vidro, papel, arame e fita de tecido.
Acompanhe o passo a passo completo.

4 – Ouriços de palito

ourico-madame-criativa

Opção clean para sua decoração de Natal! Esses ouriços são feitos com palitos espetados em um pedaço de sabão. Tem ainda glitter para dar brilho às peças. Devido à cor deles, vai ser fácil integrá-los à decoração da sua casa.
Aprenda como fazer o passo a passo dos ouriços.

5 – Enfeites de natal com gravetos de jardim

foto-gravetos
A sugestão é utilizar pequenos gravetos e transformá-los em enfeites natalinos! Eles são fáceis de criar e não envolvem a compra de muitos produtos.
Confira o passo a passo dos enfeites feitos com gravetos.

Com informações dos sites: Madame Criativa e Ciclo Vivo